O desafio da digitalização

escrito por António Gonçalves Santos
in Sociedade de informação — Notícias — Blog
Resumo

O design digital e o designer, como agentes de comunicação na sociedade digital, devem desafiar e assumir um papel de inovação e de criação. A problemática da digitalização do Instituto Católico de Viana do Castelo (ICVC) revela ser um desafio de investigação teórica e prática em projecto de design digital. Pertencente à Diocese de Viana do Castelo, o projecto enquadra-se numa plataforma digital de diálogo e partilha de conhecimento da Igreja diocesana com o mundo da comunicação e espaço da formação dos agentes de ação pastoral. Implementado e desenvolvido em três fases, da pesquisa à criação digital e sua conclusão, parte do estudo ao conhecimento, seguindo a metodologia de investigação de Design Research de Neil Leonard e Gavin Ambrose.

Abstract

The research under study consists of discovering the values, mission and vision of the essence of the brand, comprised between 2010 and 2018, United Colors of Benetton, Italian fashion company dedicated to clothing, accessories and footwear. The materials used for the study of the brand were the evolution in space / time, the reference of the marketing actions and their digital campaigns. The research instruments were the identity of the brand - the essence -, the meshes, the colors, the social and digital commitment - United by Half and #Benettonrace Paris and Milan -, and the methodology adopted was related to the analysis of the website, marketing and brand identity. The main results and conclusions of this research point to the fact that United Colors of Benetton has always been an adaptive brand, both in space and time, strongly linked to social and political issues and therefore provocative and actions and campaigns developed by them. Its differentiated vision, assumed by the brand itself, increases its purpose, both functional and emotional, in the interaction with the consumer, by associating their own values.

Palavras-chave: Digitalização, Ambiente Digital, Design digital, Plataforma digital.

I - Introdução

Edifício edificado em centro histórico, datado do Séc. XVIII, antiga residência familiar extensa, foi posteriormente o palco de diferentes destinos e utilizações ligadas ao mundo da cultura, tratando-se de um espaço de formação cultural, artístico e apostólico. Com a criação da Diocese de Viana em 1977, o ICVC em 11 de outubro de 1991, foi designado como sede legal com valências de formação, conservação & restauro e divulgação cultural. Com a evolução da sociedade de informação e comunicação no Alto Minho, será a digitalização a nova plataforma de diálogo da igreja diocesana com o mundo da cultura e espaço de formação de agentes de ação pastoral? Este desafio é a nova proposta e estratégia do ICVC para a nova ação pastoral, de Deus, Homem e Natureza.

II - Instituição Cultural

História do edifício sede e sua criação

O edifício consta de um palacete mandado construir, na primeira metade do séc. XVIII, pelo médico Dr. Gonçalo de Barros, a fim de acolher a sua enorme família de 11 filhos. Ligado ao mundo da cultura a partir da família que o mandou construir, este edifício assim acabaria por ficar para sempre, pelos diferentes destinos e utilizações, adquirido no início do séc. XX pelo circulo católico de Viana do Castelo. Com a criação da Diocese de Viana do Castelo, cria-se o Instituto Católico de Viana do Castelo, por Decreto do Bispo Dom Armindo Lopes Coelho, em 11 de Outubro de 1991, atribuindo valências nas diferentes áreas de intervenção: Formação, Conservação & Restauro e Divulgação & Promoção Cultural.

Organização da ação pastoral do ICVC

O ICVC é uma instituição cultural por decreto de Bispo Diocesano em 11 de outubro de 1991 sediado na cidade de Viana do Castelo. A finalidade é fomentar a cultura geral e religiosa na liberdade de pensamento e missão da igreja, estruturada em área artística, cultural e patrimonial. Na formação, a Escola Superior de Teologia e Ciências Humanas (ESTCH) administra cursos e formações para sacerdotes, cristãos e leigos. Na Conservação & Restauro, inclui um arquivo, um museu e um património artístico documental, de peças de carácter litúrgico, arte sacra e arqueológico. Com a Divulgação & Promoção Cultural, a biblioteca, a livraria e objectos de culto servem todos os agentes pastorais pertencentes à Diocese de Viana.

III - Digitalização da Instituição Cultural ICVC.PT

Howard Rheingold em “Smart Mobs: The Next Social Revolution” do capítulo Rethink Virtual Communities refere as mudanças da sociedade em ambiente digital.

“The world has changed, virtual communities have changed, my opinions have change, and I have changed”.(p. 323)

Compreender a informação digital para instituição cultural do ICVC, significa pensar que tipo de sociedade pode surgir do ciberespaço social do amanhã, que tipo de informação e comunicação no alto Minho preferimos ter e ser, “uma porta aberta ao diálogo e encontro”. (cit. Pe. Pablo Lima, 2019).

Proposta de modelo teórico de digitalização
Fig1. - Proposta de modelo teórico de digitalização do Instituto católico de Viana do Castelo

Partindo da proposta, fig1., o investigador propõe tornar digital as ligações que cada uma destas fornece, enfrentando o contexto de desafio da digitalização em plataforma digital.

Em “comunidade virtual de redes online” (Rheingold Howard, 2000), descreve uma comunidade que é tão real e confusa quanto qualquer outra comunidade física. Um grupo de pessoas podem ou não encontrar-se face a face, trocar palavras e ideias através da mediação de redes digitais.

Em “Smart Mobs: The Next Social Revolution” (Rheingold Howard, 2003), explora a próxima revolução social, transformando culturas e comunidades na era do acesso instantâneo — as tecnologias de cooperação. Uma jornada que permite conectar qualquer pessoa, a qualquer hora e em qualquer lugar, em que as pessoas a usem, resistem e se adaptam a ela, revelando como ser uma nova comunidade de aprendizagem on-line.

Os anos das redes sociais e conectividade revelam no tempo desafios para instituição cultural afirmar-se com os seus valores e missão da igreja com a sociedade. A expressão e a visibilidade no espaço social digital revela o seu campo de atuação, compreender o comportamento digital para expressar uma mensagem digital. A criatividade interactiva em que a imagem, áudio e texto são componentes a gerir, propondo desenvolver a sua própria mensagem (Pereira Brandão, 2007), em abordagem multimédia.

Ainda este autor, na sua dissertação, no capítulo de a “comunicação multimédia”, explica na sua introdução de que as tecnologias devem ser exploradas no seu todo na sociedade. As plataformas digitais conectam e interpretam as comunidades virtuais

“As tecnologias do digital aparecem então como a infra-estrutura do ciberespaço, novo espaço de comunicação, de sociabilidade, de organização e de transacção, mas também novo mercado da informação e do conhecimento.” (Jorge Brandão, 2017, p.83)

Na conversão de dados analógicos em informação digital, as plataformas digitais são o novo espaço de comunicação entre instituições/empresas e consumidores/usuários. Esta comunica em redes digitais interpretadas por um meio digital - a internet. Os utilizadores dialogam entre mensagens instantâneas e plataformas digitais em que a rapidez é chave organizacional com objectivos distintos permitindo conviver neste espaço, retirando potencialidades mais positivas nos planos económico, político, cultural, religioso e humano.

Com a digitalização, a cultura digital transforma o meio. As plataformas digitais incorporam o e-learning e o e-commerce, a conectividade na sociedade é incorporada como um bem essencial, a comunicação e aprendizagem digital tornam-se essência diária profissional e cultural da atualidade.

Por fim, como explica Manuel João Vaz Freixo, a teoria procura sistematizar enunciados, organizar ideias sobre a realidade, com modelos que representam simbolicamente um processo ou ideia, Neste caso, a teoria é a explicação da digitalização e o modelo é a representação em plataforma digital. Na segunda parte de investigação, iremos abordar o caso de estudo - www.ccc.diocese-porto.pt - e analisar a digitalização em plataforma digital.

1. Freixo, Manuel João Vaz. (2012). Teorias e Modelos de Comunicação. In Introdução, explicação de conceito de teoria e modelo, tipos de de modelos e sua distinção. 3.ª Edição 2012 ( pp. 16-22)

2. Instituto Católico de Viana do Castelo. (2019). História do ICVC. Acedido em outubro 2019 http://icatviana.org/index.php?option=com_content&view=article&id=74&Itemid=855

3. Diocese de Viana. (2019). Inventário online. Acedido em outubro 2019 http://diocese-vianadocastelo.inwebonline.net/resultado.aspx?modo=resumido

4. Anuário Católico. (2019). Diocese de Viana. Instituição cultural. Acedido em outubro 2019 http://www.anuariocatolicoportugal.net/dioceses/lista_instituicoes_culturais.asp?dioceseid=18

5. Encyclopedia Britannica. (2019). The Virtual community:Homesteading on the electronic frontier. Acedido em https://www.britannica.com/contributor/Howard-Lee-Rheingold/6788

6. Google books. (2019). SmartMobs:The Next Social Revolution. Acedido em 2019 https://books.google.pt/books?id=tkE4DgAAQBAJ&hl=ptPT&source=gbs_book_other_versions_r&cad=4

7. Jorge Brandão Pereira. (2007). A comunicação multimédia e a construção mediada da mensagem. (P.83) http://hdl.handle.net/11110/610

8. TED TALK (2005). The new power of collaboration. Acedido em 2019 https://www.ted.com/talks/howard_rheingold_the_new_power_of_collaboration

Contactos.

A Signumdesign está localizada no centro da cidade de Viana do Castelo.

Rua Sacadura Cabral, N24, 1.º Andar Sala A, 4900-517 Viana do Castelo. Poderá contactar-nos por telemóvel 960 401 836 ou por telefone 258 847 253